Agapornis Roseicollis

Resultado de imagem para agaponis roseicollis mutacoes
 

É um género de aves psitaciformes, onde se classificam os inseparáveis, pássaros-do-amor ou periquito-namorado. São aves barulhentas e activas em liberdade e cativeiro, e dadas a demonstrações de afecto para com membros da sua espécie e donos humanos.

 
Vivem em regiões secas relativamente arborizadas. É uma ave colorida e pequena, que atinge por volta de 15/17 cm (variando pouco de espécie para espécie).
 
Vivem em pequenos bandos. Alimentam-se essencialmente de fruta, vegetais, ervas e sementes.

 

 

Espécies e habitats

 

Oito nas nove espécies de Agapornis podem ser encontradas na África continental.
Uma é originária de Madagascar (Agapornis Canus, Agapornis Roseicollis pode ser encontrada em Angola e na Namíbia.
A espécie Agapornis  Personata encontra-se na Tanzânia. Cada espécie tem uma distribuição geográfica distinta.

 

Criação

 

Antes de começar sua criação, verifique o local onde irá colocar as suas aves para que elas habitem de maneira satisfatória.
Não tome decisões precipitadas, na aquisição de aves.
Adquira aves de qualidade, sexadas, anilhadas e de preferência em criadores que garantam uma boa alimentação, higiene nas aves e instalações, que usem uma habitação correcta e adequada para a criação e descanso das mesmas, e que prezem o seu bem estar e saúde.
Escolha aves jovens com idade até dois anos, apesar das aves reproduzirem até aos 8 anos de idade (+-) quando são bem tratadas.
A questão mais complicada que existe na criação dos agapornis é distinguir os machos das fêmeas (espécies onde não há dimorfismo sexual). Esta é a maior dificuldade que muitos encontram quando desejam iniciar a sua própria criação. 
Mesmo para criadores mais experientes é díficil distinguir o sexo das aves, principalmente em aves jovens e que ainda não criaram. Um método infalível onde as probabilidades são de 99,9% para a determinação do sexo dos agapornis, é a analise por DNA que por amostra de sangue ou de penas. 
Alguns cruzamentos tem mutações auto sexadas, ou seja, ligadas ao sexo, e a partir daí, pela cor, pode-se determinar desde pequeno o sexo das crias, 100% fiável. 

 

Exemplo: Macho Verde portador de Lutino vs Fêmea Verde = As crias verdes são machos e fêmeas, e as crias Lutino são todas fêmeas.

 

Nas aves adultas consegue-se diferenciar mais facilmente o sexo por apalpação dos ossos da bacia que são mais largos e arredondados nas fêmeas e mais apertados e pontiagudos nos machos. As fêmeas também são ligeiramente maiores e têm a cabeça e o abdomen mais arredondado que os machos. Mas mesmo assim é um método onde podem existir algumas falhas.

 

 

 

 

 

Depois do acasalamento e do macho galar a fêmea surge o 1º ovo, são colocados em dias alternados, de 4 a 8  por postura. Os ovos eclodem após 21 a 23 dias.
Normalmente, ocorrem nascimentos em dias consecutivos, durante o prazo de 7 dias. Assim, temos crias da mesma ninhada, de diferentes tamanhos. Para evitar esse problema, podemos retirar os ovos à medida que vão sendo colocados para devolvê-los ao ninho após o término da postura, o que não é aconselhável para criadores iniciantes.
 
As anilhas devem ser colocados nas crias entre o 8º e o 12º dia do nascimento. Coloca-se as aninhas deixando os dedos da cria na horizontal, sendo 3 para frente e 1 para trás.

 

 

 

 

 

Após 25 dias, a perda de crias é praticamente nula. O "desmame" é após os 60 dias. Algumas fêmeas, antes do desmame, tentam expulsar as crias dos ninhos para iniciar uma nova postura, chegando mesmo a arrancar as penas das crias. Para tentar evitar esta situação, deve-se limpar o ninho e colocar aparas.
Algumas fêmeas podem arrancar as penas dos filhos sem ser na época da criação. Isso deve-se principalmente à carência de vitaminas que é encontrada no caule das penas, no sangue. Elas costumam arrancar essas penas na época de criação e alimentar os próprias crias.
Após a separação dos pais, deve-se colocar as crias num gaiola ou voadeira , pelo menos com 1 metro de comprimento para que possam voar e desenvolver a sua musculatura.
Não se deve mexer no bando formado até que realize a primeira muda de penas, 5 a 6 meses após o nascimento. Durante o período da muda, as aves costumam apresentar febre, parecendo até mesmo doentes. Esse é um período perigoso que requer muita atenção quanto à alimentação das crias.

 

 

 

 Ninhos

 

 

Podem ser horizontais ou verticais. A parte do fundo, convém ter uma superfície côncava, onde a fêmea coloca os ovos. Mas se não tiver a concavidade não à problema, isto porque os agapornis fazem a construção do ninho.
A medida mais usada  para os ninhos horizontais é de 25cmx16x16. Para as minhas aves uso ninhos feito por medida. 30x20x20.
Coloque folhas de palmeira na gaiola para que a fêmea prepare o ninho à sua maneira. Os Agapornis de aro branco (Fischeri, Personata, Nigrigenis) carregam a palha ou folhas de palmeira no bico inteiras.
Os Roseicollis colocam os fios de palha ou palmeira entre as penas do rabo e levam-nas para o ninho. Dentro do ninho as fêmeas soltam a palha e fazem movimentos circulares. Nos Roseicollis quase sempre só a fêmea faz este trabalho, mas por vezes existe machos que ajudam nesta tarefa.
 
 

 

Uma situação pouco comum, macho Roseicolli a ajudar a sua fêmea na tarefa da construção do ninho.

 

 



Fonte: http://roseicollis-do-ricardo.webnode.pt/cria%c3%a7%c3%a3o/
Fonte: http://roseicollis-do-ricardo.webnode.pt/historia-dos-agapornis/

 

CONTATO - Michel :

(45) - 9808 1469 TIM / Whatsapp

(45) - 8809 1912 CLARO